ago 6, 2011

Posted by in Filmes, Harry Potter, Na Midia | 3 Comments

Tom Felton para o MSN New York Times: De Hogwarts a ‘Planeta dos Macacos’

Tom Felton para o MSN New York Times: De Hogwarts a ‘Planeta dos Macacos’

Durante sua temporada no Brasil, Tom Felton falou por telefone com Ian Spelling do “The New York Times”, sobre seu mais novo filme O Planeta dos Macacos: A Origem (Rise of the Planet of the Apes).

Tom também falou do filme final de Harry Potter, Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, e da sua despedida da saga. Ele ainda fala de seus novos trabalhos e oportunidades da industria.

E a conversa resultou em uma entrevista muito legal, que o MSN reproduziu. Veja:

 

Este britânico de 23 anos, que ganhou fama interpretando o sinistro Draco Malfoy nos filmes de Harry Potter, aceitou fazer ‘Planeta dos Macacos: A Origem’ sem nenhuma hesitação. Mesmo escalado como vilão – Dodge Landon, o sádico chefe de um suposto ‘refúgio’ primata – e apesar das dúvidas, citadas por muitos, sobre a sensatez de se renovar uma franquia de filmes B que já enfrentou um fracasso recente, com ‘O Planeta dos Macacos’ (2001), refilmagem dirigida por Tim Burton.

 

“É engraçado”, diz Felton. “Quando você menciona o ‘Planeta dos Macacos’, a primeira coisa de que as pessoas lembram é a tentativa mais recente de refilmagem. Elas dizem: ‘Por que vocês vão revisitar aquilo?’ O que estamos fazendo tem uma abordagem muito diferente das histórias e da franquia, em relação ao que se viu anteriormente”.

 

“Não precisaram se esforçar para me convencer”, afirma o jovem ator. “Meu pai era um grande fã da franquia, então eu meio que cresci com todas as histórias e os velhos filmes. Assim que li o roteiro e soube quem estava no projeto – James Franco, Brian Cox, Andy Serkis _, aceitei num piscar de olhos”.

 

“E em termos de vilões”, continuou Felton, “Draco era ao menos compreensivo.

 

Ele não queria realmente fazer algumas das coisas que fez. Este cara, Dodge, é uma peça terrível em tempo integral, pra falar a verdade. Ser malvado é uma coisa, mas algo totalmente diferente é ser cruel com animais. Isso afeta a maioria dos seres humanos’’.

 

“O trabalho de Dodge é cuidar dos macacos no refúgio e garantir que eles estejam bem”, explica Felton, “e ele os odeia. Ele é obrigado a trabalhar lá por seu pai (Cox), então sente uma grande raiva dos primatas. O papel me deu a oportunidade de trazer às telas alguém que é genuinamente horrível”.

 

Franco faz o protagonista de ‘Planeta dos Macacos: A Origem’, programado para estrear nos EUA em 5 de agosto (26 de agosto no Brasil), como Will Rodman, cientista de uma grande companhia farmacêutica. Na esperança de curar o Alzheimer de seu pai (John Lithgow), Rodman desenvolve uma nova droga, a ALZ-112, que parece funcionar em testes com símios. Contudo, antes de iniciar os testes em humanos, vários dos macacos envolvidos no experimento ficam loucos, forçando o encerramento do programa. Rodman acaba cuidando de Caesar, o filhote recém-nascido de seu participante mais promissor. Percebendo a notável inteligência de Caesar, ele decide prosseguir com os experimentos em casa.

 

Com o passar do tempo, porém, Rodman perde o controle dos instintos primários de Caesar, e relutantemente o envia ao San Bruno Primate Sanctuary, onde o chimpanzé supostamente poderia viver livremente com sua espécie. Mas Dodge e seu pai administram o lugar como uma prisão e logo Caesar passa a liderar seus colegas prisioneiros numa rebelião que mudará o mundo.

 

 

“É quase inacreditável que esta não tenha sido a primeira história a ser contada”, diz Felton, falando por telefone de um hotel no Rio de Janeiro, “pois esta é a mais lógica, ocorre na época atual e toca em algo muito próximo dos humanos. É sobre essa ideia de que podemos multiplicar geneticamente coisas para nossa melhora e bem-estar, mas de repente tudo dá errado, como uma história de Frankenstein”.

 

Felton passou 11 anos lidando com efeitos especiais nos filmes de Harry Potter, mas nem isso foi o bastante para prepará-lo para ‘Planeta dos Macacos: A Origem’. O filme usa uma tecnologia de captura de movimentos criada para ‘O Senhor dos Anéis’ (2001-2003) e ‘Avatar’ (2009), que consegue colocar atores humanos como criaturas imaginárias. Levando isso ainda mais longe, ‘Planeta dos Macacos: A Origem’ teve Serkis – que interpretou o papel principal de ‘King Kong’ (2005), de Peter Jackson – e os outros atores-macacos no set, cobertos por pontos e fios de captura de movimento, movendo-se como macacos e atuando ao lado dos atores que faziam humanos.

 

“Eu nunca havia visto isso antes”, garante Felton. “Andy foi muito legal.

 

Ele estava no set todo vestido, por assim dizer, e eu o entediava por horas com perguntas sobre como aquilo funcionava. É algo novo na indústria e acho que irá revolucionar o cinema. Andy é uma espécie de padrinho de tudo isso e ele foi muito legal em me ensinar o que estavam fazendo. Você tem os movimentos físicos com o corpo e também o lado da atuação. Então Andy não trouxe simplesmente os movimentos dos macacos, mas também a emoção e a história – o que crucial para o sucesso do filme’’.

 

“Para mim era um pouco estranho fazer as cenas”, acrescenta ele. “Eles faziam várias tomadas. Fazíamos uma com Andy na cena, depois uma com Andy parado ali, mas sem fazer nada, e então uma com a tela limpa, em que havia apenas eu ou apenas os atores-humanos. Todos nós tivemos de fazer muita coisa para fazer isso funcionar”.

 

“Eu já vi o trailer”, diz Felton, “e ficou fantástico. Mal posso esperar para ver o filme inteiro”.

 

‘Planeta dos Macacos: A Origem’ vai dividir os cinemas com ‘Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2’, o último filme da série adaptada dos livros de J.K. Rowling. O aclamado capítulo final já rendeu mais de US$ 1 bilhão mundialmente desde sua estreia, em 15 de julho, e Felton parece orgulhoso com essa despedida em grande estilo.

 

“Isso é bem impressionante”, diz ele. “Estivemos em Londres, Nova York e agora no Brasil, e é maravilhoso ver tamanha receptividade. As pessoas esperaram muito tempo para ver o filme, e acho que a animação se tornou uma febre. Além disso, embora seja triste chegar ao fim, acho que as pessoas estão também bastante instigadas e satisfeitas com esse último filme”.

 

A crítica mais comum a ‘Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2’ foi que diversos personagens recebem pouca atenção no grande final. Malfoy, por exemplo, faz pouco mais que uma ponta, enquanto o livro de Rowling oferecia um fechamento bem mais extenso ao personagem.

 

“Essa é a parte difícil”, afirma Felton. “Muitos dos fãs dos livros adorariam que os filmes tivessem seis horas de duração e retratassem as histórias com precisão. Infelizmente tivemos de resumi-los. Gravamos muitas cenas para ‘Relíquias da Morte’ que não entraram na edição final. Mas havia tanta coisa acontecendo, tantos personagens”.

 

“Todos os fãs querem ver cada detalhe, mas é impossível espremer tudo em apenas um filme”, conclui ele. “Mesmo assim, acho que (o diretor) David Yates e os produtores e roteiristas fizeram um trabalho fantástico. Eles condensaram o ótimo livro final num brilhante conjunto de dois filmes”.

 

Felton terá saudades de Malfoy e da camaradagem do grupo de atores e equipe, mas sente que “estava na hora de descobrir o que mais há para mim”. Ele já terminou dois filmes, ‘The Apparition’ e ‘From the Rough’. O primeiro é um filme de terror, com Felton interpretando um personagem obcecado pelo sobrenatural, e o segundo é um drama esportivo independente sobre um quinteto de jogadores de golfe.

 

E o que orienta suas escolhas na era pós-Hogwarts? O jovem ator pensa por alguns segundos antes de responder.

 

“Acho que o instinto, mais do que qualquer coisa”, diz ele. “Isso, conhecer os diretores e, se você tiver um roteiro excelente, isso obviamente ajuda.

 

Sem um bom roteiro você não tem nada. Também tive sorte de trabalhar com pessoas muito boas e divertidas pelos últimos dez anos, e espero não quebrar essa corrente tão cedo’’.

 

“Então, o importante é encontrar projetos que sejam divertidos de fazer e que me tragam desafios”.

 

Leia o texto original aqui, através do MSN NYTimes.

  1. Marcela Rezek says:

    Lindo.

  2. Aline Borges says:

    Oiiiii, adoro muito esse fã/site…estão de parabéns!!!
    ÓTIMO TRABALHO HEIN!!, amo o Tom, ele é o melhor sempre..to adorando que após Harry Potter ele já tenha tantos projetos realizados, afinal ele merece, porque ele é muito talentoso e ainda tem muito mais o que mostrar…a reportagem acima, com a entrevista sobre”Planeta dos macacos: A Origem” e “HP7.2″ ficou muito boa mesmo.Gostei muito.Bjs.

    • Obrigada! E continue acessando o TFB para saber mais da carreira e dos próximos passos de Tom Felton!